índice geralSC História Econômica

 

(Versão em Português do original em Esperanto)
© Copyright 1997 Evaldo Pauli

Via Internet:
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.
 Propriedade literária:
Biblioteca Superior de Cultura Simpozio.
 Redator chefe:
Evaldo Pauli.

9. ENCICLOPÉDIA DE REGIÕES:

HISTÓRIA ECONÔMICA DE SANTA CATARINA
91sc4000.

Autor: 
 
Prof. da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.
Do Instituto Histórico e Geográfico de SC.

Da Academia Catarinense de Letras.


ART. 3-o.
            INDÚSTRIA DE VIDRO E CRISTAIS EM SANTA CATARINA.. 91sc4744.

            745. Introdução ao contexto geral do vidro. Como produto, o vidro é fundamentalmente constituído pela sílica (silício), matéria não metálica e constitutivo principal da areia. É obtido por fusão, ao mesmo tempo que ligado com algum outro elemento, como o oxigênio, dali resultando o produto SiO2.
            Vidrado se diz do vidro quando usado como uma capa delgada fundida sobre corpos cerâmicos e mesmo sobre metais.
            Depois de fabricado, pode-se operar o vidro, em etapas subsequentes, fabricando novos objetos, como espelhos, vasilhas, vidraças.
Surgem assim as vidraçarias.

746. Fabricação do vidro e de produtos de vidro em Santa Catarina.
Uma fábrica de vidro foi projetada em grande dimensão, para ser instalada em Araquari (notícia de 2004).
            Casa Pieper, S.A e Ind., Rua 15 de novembro, 644, Joinville (espelhos).
            Vidraçaria 15 ltda, Rua 15 de Novembro, 644, Joinville (espelhos).

            747. Introdução ao contexto do cristal. É o cristal uma forma poliédrica regular, com superfícies lisas, que se torna por isso apreciável aos olhos, sobretudo quando gera efeitos especiais sobre a luz incidente.
            Os cristais fabricados costumam ter uma base de vidro, ou seja, de sílica.
            Só em tempos adentrados da modernidade se conseguiu determinar o porque da natureza exterior dos cristais, que resulta da ação das forças inter-atômicas do composto químico em questão.
            98% dos minerais podem assumir tais estruturas e ter pois sua respectiva forma cristalina. Em contraste, as outras espécies minerais se dizem substâncias amorfas.

            Há cristais surgidos na natureza e outros que a indústria prepara como jogos de cristal de mesa, vasos, cinzeiros, saladeiras, etc.
            Na fabricação de cristais se usa quartzita, carbonatos, óxidos corrosivos.
            A matéria-prima é tratada em formas de altíssima temperatura. Depois é liquidificada e soprado com vistas a tomarem as formas desejadas, seguindo-se a lapidação.

            748. Fabricação em Santa Catarina de cristais e de produtos de cristal.

            Cristais Hering S. A. (Rua Bahia, 819, Blumenau), fundou sua fábrica em 1951. Passou à sociedade anônima em 1953.
            De início apenas lapidava cristais importados. Pouco depois instalou fornos, maquinários e aparelhamentos para a fabricação própria dos cristais.
            Suas instalações à rua Bahia, se encontram no bairro de Itoupava-Seca, em terreno de 16.000 m2, com vários edifícios.
            Depois de 20 anos de produção, ocupava 500 operários, produzindo 12.000 peças diárias, em centenas de linhas de produção, destacando-se os cristais de hotelaria.

CAPÍTULO 4-o.

 

INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE FUNDIÇÃO E SIMILARES..
91sc4749.

            750. As indústrias metalúrgicas, quer de fundição, quer de siderurgia (de alto-forno), são básicas, com referência às que diretamente se lhes associam, a saber, a indústria mecânica, a indústria do material elétrico e de comunicações, a indústria do material de transporte. As indústrias metalúrgicas operam no setor de autopeças e produzem para as montadoras de veículos e máquinas em geral.
            Um mesmo estabelecimento metalúrgico, como por exemplo a Fundição Tupi, de Joinville, pode ocupar-se de todas as modalidades de indústrias ligadas ao setor do metal, desde a base, até as aplicações diretas. Por isso, o tratamento destas indústrias, em uma História Econômica requer alguma integração. Todavia, do ponto de vista sistemático, temos de atender, quanto possível, à separação.
 
            A nível nacional a siderurgia é tratada pela Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais, e que realizou em Joinvile o 41-o Seminário de Laminação, de que foi anfitriã Vega do Sul, esta então de inauguração recente no município catarinense de São Francisco.
           
            Didaticamente a divisão do Capítulo sobre indústrias metalúrgicas em artigos, leva em conta, que os metais são de muitas espécies, destacando-se todavia, pela sua grande presença, o ferro. Mas também os demais, como por exemplo o cobre e o estanho, poderão ser valiosos.
           
            752. A indústria do ferro está na dependência dos minérios que contêm o metal, porquanto não existe in natura.
            Os minérios contendo ferro são: hematita, magnetita, limonita, siderita.  Em Santa Catarina ocorre a presença de alguns destes minérios.
            “Pequena quantidade de ferro é extraída das hematitas e magnetitas contidas nos quartzitos da série Brusque, alimentando pequenas indústrias metalúrgicas de Joinville e da bacia do Itajaí” (Carlos Augusto F. Monteiro, em Atlas Geográfico de S. Catarina, 1958, em que o local do ferro é assinalado nas cabeceiras de um afluente do rio Itapocu, perto da cidade de Joinville).

            Metodologicamente, a indústria da metalurgia do ferro principia pela extração do minério, prosseguindo com a libertação do ferro.
            O redutor do ferro costuma ser o carvão, sobretudo o carvão mineral, com a técnica do alto-forno.

            Como é que tudo começou? No Brasil a produção de ferro em escala industrial, principiou em 1818, em Sorocaba, São Paulo, ainda ao tempo do regime colonial.

            A presença do carvão mineral no Sul de Santa Catarina foi sempre uma sugestão para o estabelecimento aqui de uma fábrica de fundição.
            A tendência dinâmica das indústrias metalúrgicas, permite prever uma futura importância da mesma na economia catarinense.
            Por muito tempo se sonhou na siderurgia de alto forno de Santa Catarina (SIDESC) a ser instalada no Sul do Estado. No decurso de 1968 a idéia evoluiu na direção da indústria carbo-química.

            753. O crescimento da indústria metalúrgica em Santa Catarina foi significativo depois da Segunda Grande Guerra Mundial (1939-1945). Combinado com o setor mecânico e de material elétrico, a metalurgia tende a competir com o setor têxtil, que foi a indústria tradicional, das cidades.
            Na participação na composição do produto industrial do Estado, os números da metalurgia revelam clara ascensão na porcentagem:
            1949........3,9%
            1953........5,5%
            1955........5,3%
            1958........7,2%
            1959........5,9%
            1960...............
            1961........9,0%
            1962........7,1%

            754. Relação das empresas metalúrgicas catarinenses, de fundição, de fábrica de artigos de aço (excluídas as fabricações de artigos de ferro, artigos de folhas de flandres e similares), preexistentes umas, ainda existentes outras:

            Em São Francisco:
            Vega do Sul, inaugurada em 2003 (vd 757).

            Em Joinville:
            1 – Metalúrgica Douat S/A – Rua Arnaldo Douat, n. 466 (ferro fundido, esmaltado).
            2 – Metalúrgica Wetzel S/A – Rua Visconde de Taunay (artefatos metalúrgicos, fabricante de peças e eletroferragens de ferro e alumínio). A tradicional fundição penetrava o segundo milênio em expansão (Diário Catarinense, F-polis, 10-5-2007) e nova fabrica de ítens de aluminínio no Perini Business Park (Idem, 23-8-2007).
            3 – Muer & Cia – Rua Dr. João Colin, n. 1877 (artefatos metalúrgicos).
            4 – Fundição Tupy S/A – Rua Albano Schmidt, 3400 (além da atividade metalúrgica, fábrica acessórios para veículos) (vd n. 754). Fundada em 1938.

Em Jaraguá do Sul:
WEG SA. Empresa de automação industrial, criada por um grupo bem sucedido, de três famílias: Egon João da Silva, Geraldo Werminghaus, Werner Voigt, e que tiveram em seus descendentes os sucessores. WEG (cf. Diário Catarinense 17-02-2004).
Também opera com investimentos fabris em Guaramirim, Blumenau, Itajaí e São Paulo, Argentina, México, Portugal, China (Diário Catarinense, F-polis., 6-1-2005).
Weg alcança a marca de 18000 empregados diretos, sendo 16 000 no Brasil e 2000 nas fábricas do exterior  (Cf. Diário Catarinense, f-polis, 22-9-2007).
            Weg Acionamentos, produz componentes eletrônicos de baixa tensão para uso na área naval,  como contadores, relés de sobrecarga e disjuntores (Diário Catarinense, F-pol is, 22-2-2005).
           
Alcançou a WEG um notório prestígio internacional, concorrendo com as famosas Schneider Electric e Siemens.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

            Em Garuva:
            Marcegaglia do Brasil Ltda. (Multinacional), fabricante de tubos de aço.
           
            Em Blumenau:       
            1. Metalúrgica Staedele Ltda. – Rua 2 de Setembro, n. 1870 – (fábrica de artigos de aço.
            2. Eletro Aço Altona S.A, - Rua Cel. Vidal Ramos, n. 925, com novas instalações em 1969, a Rua José Deeke, n. 180, no bairro Escola Agrícola, - Fábrica de artigos de aço: peças para hidrelétricas, mesas, pias, banheiros de aço, recipientes de aço inoxidável para indústrias químicas, têxteis, alimentícias).
            3. Metalúrgica Blumenauense Ltda. – Rua Benjamin Constant, s/n  (fábrica de artigos de aço).
            4. Peter Silberger - Rua Hermann Hering, 470, fundição de bronze e alumínio, ligas especiais e artefatos especiais.
           
            Em Itajaí:
Quimivale, de detergentes em pó e outros produtos; foi adquirida em 2005 pela Assolan, no país uma grande indústria de lã de aço, esponjas sintéticas e panos multiusos (Diário Catarinense, F-polis, 4-6-2005).
Weg (de Jaraguá do Sul,em Itajaí, Cf. Diário Catarinense, F-polis, 26-9-2007)

Em Brusque:

  1. Fundição Hércules S.A – Rua Centenário, n. 216 (fundição).

Em Rio do Sul:

  1. Fundição Estrela Ltda. – Av. Aristiliano Ramos s/n, fundições.
  2. Metalúrgica Riosulense S.A – Av. Lauro Mueller, n. 411 (fundições, com vendas para montadoras de veículos).

Em Florianópolis:
1. Fábrica de Pontas Rita Maria, de Carl Hoepcke, geradora de materiais como pregos, para a construção, e arames para cercados da agricultura. Fundada em 1896, encerrou suas suas atividades na década de 1980.
             2. A Fábrica de gelo, de Carl Hoepcke, fundada em 1896, fornecendo para os navios da empresa, barcos de pesca, para o comércio e domicílios.
3. Fundição Sapé S.A – Rua  Max Schram, 1279 (chapas e grelhas, registros para fogões, etc).
4. Georgio D. Soziópulos Metalúrgica Atenas – Rua Padre Roma, 19 – (portas de aço, portões e Janelas de ferro).

                  Em Criciúma:

  1. Irmãos Barbelotto. – Rua Marcos Rovaris, 693 (balanças e fundição).
  2. Fundição Zacar Ltda. Rua Marcos Rovaris s.n. (fundição)
  3. Siderúrgica Criciumense S.A – Bairro Próspera (fundição e laminação).

Em Tubarão:

  1. Fundição Iguape – Rua Mal. Deodoro, n. 1723 (fundição).
  2. Eletro Mecânica Catarinense – Bairro Humaitá (ferragens galvanizadas).

Em Nova Veneza:

  1. Metalúrgica Irmãos Spilere Ltda – N. Sra. do Caravaggio (implementos agrícolas e para o interior das minas de carvão), iniciado em 1946.
  2. Arno Baldessar – São Bento Baixo (implementos agrícolas).

Em Porto União:

  1. Werner Malycha & cia Ltda – Rua Prudente Morais sn (fundição de  ferro).

A indústria siderúrgica ainda revela presença em Pomerode, Rio dos Cedros, Itajaí, Itapema, Tijucas, Urussanga, Caçador, Joaçaba, Concórdia, Xanxerê.

            755. Fundição Tupy S. A., da cidade de Joinvile, alcançou a posição de poderosa empresa catarinense em valor e em produção. Sua fundação ocorreu em 1938, em Joinville, por Albano Schmidt. Iniciou com 80 operários, ultrapassando depois de 30 anos a cifra de 3000, numa área coberta de mais de 80 mil metros quadrados, e 25 milhões de cruzeiros (novos).
            Em sua expansão, construía em 1958 as primeiras dependências no Distrito Boa Vista, onde veio a ser instalada definitivamente.  
            Na América do Sul foi pioneira na fabricação de ferro maleável. Nesta linha de produtos, fabrica: conexões de ferro maleável, para tubulações de água, gás, óleo e vapor; conexões de ferro maleável, para a indústria petrolífera; autopeças de ferro maleável, campânulas para isoladores e ferragens para linhas de transmissão de alta tensão elétrica; e ainda material ferroviário e todo o gênero de peças análogas da mencionada linha de ferro maleável.
            Na história da evolução das espécies fabricadas, a inclusão de material eletro-técnico ocorreu em 1957 e a de autopeças em 1958, fornecendo à Volkswagen, Willis, Mercedes-Benz. Herdaram a liderança da grande sociedade de capital aberto, como se vê na relação da diretoria de 1969: H. Dieter Schmidt (presidente), Raul Schmidt, Gert Schmidt, Hermann Metz, Geraldo Kielwagen, Wolfgang Voigt, Henrisch W. Berg (diretores).
 
            Através da  Sociedade Educacional Tupy, fundada em 29 de outubro de 1963, a empresa Fundição Tupy S. A.  garantiu a excelente qualidade cultural e técnica de seu operariado.
Depois desta primeira grande expansão, encaminhou uma nova, para a década de 1970, com recursos tomados ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (em 1969, empréstimo de NCr$ 26 milhões) e aval do EXIBANK, de US$ 1,7 milhões, para importação de máquinas). Inclui agora outros tipos de ferro fundido, como o nodular e o cinzento de ligas especiais. Em decorrência, planejava-se duplicar a produtividade da empresa em 1971 (Revista Indústria e Desenvolvimento, setembro 1969, vol. 2, n. 9, sob o título “Empresa catarinense em close-up – liderança no mercado de fundidos” – Roberto Rocha Coelho).
           
            757. Vega do Sul, inugurada em 2003, foi planejada com vistas a uma produção extraordinariamente grande, e que logo aconteceu acima do esperado.
            Do ponto de vista empresarial Vega do Sul está sob o controle acionário da siderúrgica européia Arcelor

            Opera com laminação, decapagem (retirada da oxidação) e galvanização (banho de zinco com vistas ao aumento de resistência e durabilidade) de chapas de aço fornecidas às indústrias de automóveis, de eletrodomésticos e da construção civil.

 

CAPÍTULO 5-o.

INDÚSTRIA MECÂNICA EM SANTA CATARINA.
91sc4762.

            763. A indústria mecânica no importante subsetor dos bens de capital. Encontra-se a Indústria Mecânica no importante sub-setor industrial dos bens de capital, juntamente com material elétrico e material de transporte, máquinas agrícolas.
Sendo o sub-setor dos bens de capital de elevada importância no desenvolvimento, importa examinar como se desenvolveu em Santa Catarina. É ainda interessante fazer comparações com o que se dá nos vizinhos Estados do Rio Grande do Sul e Paraná, bem como no País.
            A indústria mecânica adquiriu maior desenvolvimento em Joinville (vd 766), Blumenau (vd 767), Jaraguá do Sul (vd 768).

Ocorreram também manifestações em outros municípios, como Timbó, Indaial, Florianópolis, Tubarão, Criciúma, Nova Veneza, Orleans, Lages, Caçador, Concórdia, Joaçaba, Chapecó.
Em Chapecó se fez notar a ação do Sindicato das indústrias metalúrgicas, mecânicas .e do Material Elétrico (Simec) (Diário Catarinense, F-polis, 12-12-2004).
           
            764. A indústria catarinense de implementos agrícolas principiou pela volta de 1920. Consideram-se implementos agrícolas aqueles elementos que completam uma ação, como a do animal, ou como a do trator, ou mesmo do homem na atividade agrícola. Tais implementos são os arados, as adubadoras, as roçadeiras, as motobombas de irrigação, as trilhadeiras, as colhedeiras, etc.
Ao se estabelecer uma política nacional neste sentido, tratou-se principalmente do trator. Em 1959 foi efetivamente instituída a indústria nacional de tratores, dentro do esquema orientado pelo Grupo Executivo da Indústria  Automobilística. Aprovaram-se então seis fábricas de tratores e duas de microtratores. Iniciou a produção em 1960.
            O mercado brasileiro, inicialmente, não ofereceu capacidade de absorção rápida da produção, nem dos tratores e nem dos implementos agrícolas em geral. A fim de afirmar o desenvolvimento da indústria do ramo tentou-se inclusive a exportação para os países da Associação Latino-Americana do Comércio.
            Em Santa Catarina, a fabricação de implementos agrícolas se desenvolveu em todas as regiões, mas sobretudo em Blumenau, Joinville, Joaçaba, Caçador.
             
765. As primeiras empresas de indústria mecânica de Santa Catarina, em parte se conservam, em parte se transformaram, e em parte se dissolveram. Como um todo elas denotam o desenvolvimento global do setor.

            Um projeto automotivo catarinense, - visando uma primeira montadora de automóvel, - passou a ser cogitado a partir de um projeto, que se fez conhecer como A4 (vd 804).
           
            766. Indústrias mecânicas de Joinville.

  1. Turbinas Schmidt Ltda.  – Rua Anita Garibaldi, 458 – Turbinas Hidroelétricas.
  2. Ricardo Krellin – Rua Itaiópolis, 273 – Balanças
  3. Artefatos de Metais Aloma ltda. – Rua Visconde de Taunay, 1102 – Bombas para água.
  4. Indústrias Schneider S/A – Fundada em 1946, Rua Almirante Barroso, 92, bombas hidráulicas, motores elétricos, serras mecânicas, lavadoras de roupa, fundições de ferro e metais.
  5. Irmãos Baptista Ltda.  – Rua Gaspar, 36 – compressores de ar.
  6. Altmann & Cia Ltda.  – Rua 15 de novembro, 1064 – máquinas diversas.
  7. Fábricas de Máquinas Raymann S/A,  Av. Getúlio Vargas, 1446 – máquinas diversas.
  8. Máquinas e motores Helmo Ltda. – Rua Humberto de Campos, 70 – máquinas diversas.
  9. Metalúrgica Schulz S/A – Rua Felipe Camarão, 198 – Máquinas diversas. Autopeças e compressoras de ar.
  10.  Usina Metalúrgica Joinville, S.A – Rua 7 de setembro, 223, Máquinas diversas, fundição de metais injetados sob alta pressão, materiais eletrotécnicos para linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica, torneiras, peças para fins industriais etc.

11) Tigre, indústria de tubos e conexões de PVC, visando o mercado de construção civil predial, infra estrutura e irrigação. Oteve notável desenvolvimento, com diversas fábricas pelo Brasil (5 em 2004) e também no exteroior (Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai), seguindo depois para grandes novos investimentos.

Ocorrem ainda as outras indústrias com setores mecânicos. Tais são principalmente Fundição Tupy S.A (vd 755) etc, que se podem conhecer nos respectivos capítulos em que são diretamente arroladas.

767. Indústrias mecânicas de Blumenau.

  1. Harry Kielwagen  - Rua São Paulo, 3011 – Fábrica de balanças, de qualquer tipo, indústriais, comérciais, agrícolas, fiscais, de veículos, de animais.
  2. Metalúrgica R. F.  Ltda. – Rua Papanduva, 85 – Fábrica de graxeiras.
  3. Indústrias Udo Schadrack Ltda. Rua General Osório e rua Amazonas, 300 – Fábrica de máquinas e apetrechos domésticos, máquinas de cortar grama com motor, máquinas de lavar roupa.
  4. Oficina Mecânica Hassler – Rua S. Paulo, 1384 – Fábrica de maquinaria industrial.
  5. Paul Zimmermann – Rua S. José, 50 – Fábrica de máquinas de lavar roupa.
  6. Oficina Omo de Helmuth Brann – Rua Paraíba, 281 – Fábrica de máquinas e peças.
  7. Ernesto Ebelling – Rua Amazonas 3891 – Fábrica de máquinas têxteis.
  8. Construção de poços artesianos e bombas Hoh Ltda. – Rua Alfredo Hering, 98 – Fábrica de Máquinas e Art. de Metais.

 

Há ainda a indústria mecânica como setor de outras espécies de fábricas, como se pode ver nos respectivos capítulos.
Sussen Máquinas S.A , indústria alemã de S. Paulo, em 1970 procurava área necessária para se instalar em Blumenau (cf. Diário Catarinense, Fpolis., 06-06-1970).

768. Indústrias mecânicas de Jaraguá do Sul.

1 ) Companhia de Máquinas Famac – Rua Cel. Procópio G. de Oliveira, 387 – Máquinas agrícolas e industriais.
2) Metalúrgica Ervino Menegotti Ltda. – Rua Pres. Epitácio Pessoa, Prensas para tubos, secadores, etc.
3) Oficina de torno K. P. Ltda. – Rua Procópio G. Oliveira – Peças para máquinas.
4) WEG  (vd 754).
            Adquiriu uma fábrica na China, em 2004. Mantém uma unidade no México. Abriu filial na Índia (Diário Catarinense, F-polis., 18-2-2005).

Elmundo Moritz – Rua Uruguai, 30, - Balanças para balcão e maquinetas.

770. Indústria mecânica em Benedito novo.

Fábrica de turbinas hidráulicas – R. Celso Ramos (Alto Benedito Novo) – Turbinas hidráulicas.

771. Indústria mecânica em Ibirama.

  1. Máquinas Omil Ltda. – Rua Getúlio Vargas – máquinas para beneficiar madeiras.
  2. Frederico Jaeguer – Rua Getúlio Vargas – Máquinas para agricultura.
  3. Fábrica de Máquinas S.A – Rua 15 de novembro, - máquinas para uso doméstico.
  4. Frederico Hardt S.A Ind. Com. – Rua Duque de Caxias – Sede distrital Indaial – Desnatação de leite.

 

772. Indústria mecânica em Indaial.

  1. Metalúrgica Henrique Wanke S.A – Rua Floriano Peixoto – Fundição, máquinas agrícolas.
  2. Oficina Ideal – Rua dos Atiradores – Máquinas para malharias.
  3. Indústria Mecânica “Fey” ltda. – Rua dos Atiradores – Artefatos torneados de precisão.

 

773. Indústrias mecânicas em Timbó.

  1. METISA - Metalúrgica Timboense S.A – Av. Nereu Ramos, 95 – Máquinas e suplementos agrícolas. Fundada em 1942, por Richard Paul Jr. Com expansão em 1972 (Jornal de SC, 11-8-1973).
  2. Benecke e Irmãos Ltda – Rua Germano Brandes Senior, 409 – Máquinas industriais.
  3. Fábricas de Lançadeiras Germer Ltda.  Av. Vargas, 257 – Lançadeiras para teares. Estabelecida em 1950. Lançadeiras em madeira petrificada supercompensadas, caqui e ainda com material celeron-ambatex . Além disto fabrica batedeiras, batedores, espadas e  uma linha de eletro-porcelanas com matéria-prima da região.
  4. Herbert Mueller – Rua Barão do Rio Branco, 35 – Navalhas para fabrico de calçados.

A Mueller de Timbó se desenvolveu com desdobramentos, produzindo motores e eletrodomésticos (Diário Catarinense, F-polis, 18-2-2005).
Mueller, com grande faturamento, produz lavadoras automáticas e fornos elétricos (Diário Catarinense, F-polis, 3-2-2005).

774. Indústria mecânica em Florianópolis.

            Fundição Rhein – Rua Fúlvio Aducci, 1140 – Máquinas para panificação e tornos elétricos.

775. Indústria mecânica de Criciúma.

  1. Eloy Horácio Francisco – Bairro Próspera – Fábrica de balanças.
  2. Indústria Mecânica Nova Orleães Ltda. – Rua Des. Pedro Silva – industrialização do ferro.
  3. Vitório Fabris e Cia. – Rua São José, 66 – Fábrica de refrigeradores.

 

776. Indústria mecânica em Orleans.

  1. Júlio Francisco dos Santos – Rua Conde D’Eu – Fogões esmaltados.

Hammerschmidt, Hilbert & Cia – Rua 15 de Novembro – Arados e cultivadores.

777. Indústria mecânica em Praia Grande.

Clezar & Cia Ltda – Fogões.

778. Indústria mecânica em Tubarão.

  1. Germano Kuerten Com. Indústria – Av. Acácio Moreira – Fábrica de estufas.
  2. Fábrica de molas Estrela do Sul Ltda. – Humaitá – Fabricação de molas.

 

779. Indústria mecânica de Joaçaba (inclusive Luzerna).

1) Adelino Paglianrin & irmãos – vila Kennedy – rodas para trilhadeiras.
2) Caetano Branco S.A  Ind. Com. – Vila Caetano Branco – Trilhadeiras.
3) Francisco Lindner S.A Ind. Com – Rua Paraná – Trilhadeiras, turbinas hidráulicas, máquinas diversas.
Francisco Lindner foi imigrante tirolês-austríasco, havendo fundado a firma em 1935, com um torno, uma furadeira, um operário, em um galpão de madeira.
4) Máquinas Triton Ltda. – Rua Paraná – Trilhadeiras.
5) Famobra Fábrica de Motores Branco S.A – Vila Caetano Branco.
6) Hidráulica Indústrial Ltda – Rua Felipe Schmidt – Turbinas Hidráulicas.
Construiu várias turbinas de grande potência, para as centrais elétricas de S. Catarina, por exemplo uma Turbina Francis Espiral, acoplada a um eixo gerador de 2.000 KVA, da Usina Caveiras (Lages, S.C).
7) Joaçaba Auto Ltda. – Rua Paraná – Bronzinas e Mancais.
8) João J. Kratochvil & filhos Ltda – Luzerna – Fábrica de Fresas (fresa = ferramenta de aço em forma de cone, para cortar e alargar orifícios).

780. Indústria mecânica em Capinzal.

1. Indústrias Graft. Máquinas para figorícos, como centrífugas (Cf. Diário Catarinense, Fpolis., 18-10-2004, p. 16).

781. Indústria mecânica em Concórdia.

  1. Antônio Perozin – Rua Getúlio Vargas, s/n – Máquinas agrícolas...
  2. Onofre Lima – Rua Assis Brasil, 264 – Fogões econômicos...
  3. Ferragens agrícolas Ltda. – Rua Assis Brasil, 416 – Implementos agrícolas.

 

782. Indústria mecânica em Mafra.

Metalúrgica São Pedro Ltda. – Rua Dr. Jorge Lacerda, 801 – Máquinas para beneficiamento de Babaçu.
Mecânica Mafrense Ltda. – Rua Matias Picknick, 773 – Máquinas para recauchutagem para Pneus.

783. Indústria mecânica em Seara.

Osvino N. Alflen-Caraíba – Implementos agrícolas.

784. Indústria mecânica em São José do Cedro.

            Indústria de Máquinas Schneider Ltda. – Máquinas agrícolas.

785. Indústria mecânica em Curitibanos.

  1. Molas Mosquito Ltda. – Rua Vidal Ramos – Molas.
  2. Mendes e Cia Ltda. – Jardim América s/n – Tornos.

 

786. Indústria mecânica em Lages.
 
Indústria Máquinas Ltda. – Av. Pres. Vargas – Peças fundidas para serrarias.
            GTS do Brasil - Distrito Industrial de Lages. Nascida, em 2000, no município de Campo Belo do Sul, transferiu-se em 2005 para Lages. Fabrica equipamentos vários, como plataformas colhedoras de milho (Diário Catarinen se, F-polis., 7-1-2005).
 
787. Indústria mecânica em São Bento do Sul.

  1. Oto Friebe – Rua Augusta Schlemm – implementos agrícolas.
  2. Eckstein & Schmidt – Rua Jorge Diener, Oxford – máquinas de lavar roupa.

 

788. Indústria mecânica em Caçador.

Cia Olsen de Tratores, instalada no Bairro São Cristovão, em Caçador,  fabrica guinchos. Em 1969 lançou o trator TMO Formiga. A idealização foi do catarinense e proprietário Osvaldo Olsen, que inicialmente possuía apenas uma oficina mecânica de concertos. Em 1958 projetou um trator de esteiras, que estudou 4 anos. Em 1962 fundou a “Cia Olsen de Tratores Agro-industrial”. E finalmente em 1964 saiu às ruas com o trator TMO – Caçador 70/C.
            Compareceu em 1959 com um Stand, na exposição FAINCO, de Florianópolis.

 


Enciclopédia de Regiões
Megahistória de Santa Catarina
índice geral SC - Primeira República